Silas Malafaia entra no cheque especial para realizar evento fora, nada haver com a igreja

Líder da ADVEC ( Assembléia de Deus Vitória em Cristo), Silas Malafaia é apoiador e patrocinador do evento que levou Bolsonaro a Avenida Paulista em São no dia 25 de fevereiro. O pastor discursou contra o STF recebeu muitas críticas do meio evangélico, principalmente do fiéis que acompanham seus cultos na sede localizada na Penha – RJ.

Além das críticas dos apoiadores também do atual presidente, Luiz inácio da Silva, o pastor Silas Malafaia foi acusado de retirar dinheiro das contas da igreja para realizar o evento pró-Bolsonaro que custou cerca de R$ 90 mil reais.

Após a realização do evento, onde Malafaia discursou contra Alexandre de Morais, Segundo ele ” ditador de toga”, usou um dos seus cultos para se explicar aos fiéis que frequentam sua instituição.

Segundo ele, teve de entrar no cheque especial, pois não teria pego dinheiro das contas da igreja e também na pessoal não tinha saldo para cobrir as despesas.

“Essa conversa fiada que usei dinheiro da igreja e da associação pra fazer manifestação , é conversa de bandido. Eu tenho consciência e juízo, vou usar dinheiro da igreja, tá maluco? Jamais e nunca. Eu tenho imposto e renda pra pagar uma manifestação e tenho mesmo, mas eu usei cheque especial!”

Ainda durante a explicação aos fiéis sobre o dinheiro usado na manifestação, Malafaia revelou que alguns pastores do alto escalão e fiéis apoiadores de Bolsonaro pediram a conta para que fizessem depósitos. Segundo ele, negou a receber ajuda.

Segundo Silas, acabou entrando no buraco pra fazer “esse troço” e reafirmou que o evento foi direção de Deus.

Em reposta a imprensa que gerou boa parte da polêmica na internet, Silas Malafaia esclareceu que

que as cifras foram entre 80.000 e 90.000 reais. As despesas incluíram o aluguel de dois trios elétricos, vinte seguranças, banheiros químicos e água.

Comentários estão fechados.